sexta-feira, outubro 22, 2004

Dois novos estudos de informação e bibliotecas digitais (EIBD)

O resultado do investimento das pessoas que conseguiram ter capacidade de visão (e muita persistência), começa agora a trazer resultados para a comunidade científica e académica, numa área tão importante para a Sociedade da Informação e do Conhecimento, como são os Estudos de Informação e Bibliotecas Digitais (EIBD).
Deixo a referência a mais duas das teses, já defendidas, de que tive conhecimento: a primeira da Mestre Sandra Marques Pinto, O Papel do Bibliotecário na Gestão e Desenvolvimento de Colecções Digitais, e a segunda, defendida ontem, da Mestre Emília Lúcia Mariano Pacheco, A Biblioteca Híbrida: o acesso ao conteúdo das publicações periódicas científicas portuguesas nas bibliotecas universitárias. Deixo ficar os resumos, para que possam fazer uma ideia das abordagens e da temática tratada:
Emília Pacheco (2004), A Biblioteca Híbrida: o acesso ao conteúdo das publicações periódicas científicas portuguesas nas bibliotecas universitárias. Lisboa, MEIBD / DCTI / ISCTE :

"Nas bibliotecas universitárias, o acesso à informação científica faz-se, entre outras formas, através das publicações periódicas científicas e técnicas. A evolução tecnológica, forneceu às bibliotecas diferentes modos de acesso e vários tipos de suporte para estas fontes de informação. Contudo, apesar da edição electrónica, a revista impressa, continua a ser relevante. No mundo académico, a pesquisa e recuperação de informação nas publicações periódicas é a forma mais habitual de ter acesso ao conteúdo dos artigos. As melhores ferramentas para empreender esta tarefa, são as bases de dados internacionais de indexação e resumos. Todavia, o conteúdo das publicações editadas em Portugal, raramente é referenciado nestas bases de dados.
São objectivos deste trabalho, caracterizar a actual situação relativamente ao acesso à informação sobre o conteúdo das revistas científicas e técnicas portuguesas, examinar as soluções existentes para melhorá-lo e propor a que nos parece mais vantajosa.
No decurso deste trabalho é apresentada uma revisão do estado da arte no domínio dos modelos de infra-estruturas e de tecnologias para a partilha de dados bibliográficos. Descrevem-se três soluções técnicas representantes, respectivamente, de cada um dos modelos anteriormente mencionados. São ainda referidas experiências nacionais e internacionais de abordagem do problema. É proposta uma solução de catalogação analítica partilhada das revistas portuguesas, fundamentada numa experiência local. Em conclusão, apresentam-se algumas considerações para o desenvolvimento de um projecto cooperativo nesta área, face ao actual panorama, designadamente, a importância de um projecto cooperativo de catalogação analítica de orientação temática, multilíngue e com descrição de conteúdos tão completa quanto possível. Considerou-se igualmente que o modelo de partilha de dados adequado, não existe em abstracto, mas terá de ser encontrado em função da orgânica de cooperação adoptada.

Sem comentários: